A Magia dos Canaviais no Centro Cultural Correios

A Magia dos Canaviais no Centro Cultural Correios

A Exposição Maracatu Rural – A Magia dos Canaviais leva o visitante por uma viagem pela história, os personagens, o ritmo, o território, os mitos, a dança, os sincretismos religiosos de uma das manifestações culturais mais importantes do Brasil. Este será o cenário que vai ocupar o Centro Cultural dos Correios (Av. Marquês de Olinda, 262 – Bairro do Recife) à partir do dia 27 de dezembro. A Coordenação Artística e Curadoria são de Afonso Oliveira. O projeto é da Designer Carla Gama com textos dos professores Severino Vicente e Valéria Vicente e fotos de Afonso Oliveira, Ederlan Fábio, Hans Von Manteuffel e Fred Jordão. O horário de visitação é das 9h às 18h, de segunda a sexta-feira e nos sábados e domingos das 12h às 18h. A entrada é franca. Mais informações no 3224-5739. A entrada é franca.

Afonso Oliveira, curador da exposição, destaca a importância da mostra. “Essa exposição fecha um ciclo de valorização que se iniciou em 1990 e passou por muitas etapas, projetos locais, estaduais e nacionais. 22 anos de muitos projetos e para consolidar uma das manifestações culturais mais importantes do Brasil”, ressalta.

A Exposição vai contar com fotografias, documentos históricos, vídeos, áudios, indumentárias, adereços, textos e livros. A arquitetura será distribuída em painéis, telas de led e objetos de ambientação criados especialmente para a exposição. Desde a sua história, na formação econômica e social da Mata Norte, reunindo várias etnias, costumes e tradições diferenciados; formando assim, uma população com uma cultura singular. E o Maracatu Rural se apresenta como ícone dentre tantas manifestações populares da região. Essa é a primeira vez que se realiza uma exposição exclusiva sobre tema no Brasil.

O projeto da exposição é da empresa Pentagrama Promoções e Produções Ltda., e a Coordenação Geral é do produtor Ângelo Filizola. A Coordenação Artística e Curadoria são de Afonso Oliveira, o experiente conhecedor de Maracatu Rural. O projeto arquitetônico é da Designer Carla Gama, profissional reconhecida com exposições realizadas no Brasil e no Exterior. Textos dos professores Severino Vicente e Valéria Vicente. Fotos de Afonso Oliveira, Ederlan Fábio, Hans Von Manteuffel e Fred Jordão.

SERVIÇO
EXPOSIÇÃO – MARACATU RURAL – A MAGIA DOS CANAVIAIS
Abertura – Dia 27 de dezembro de 2012, às 19 horas.
Centro Cultural Correios
Av. Marques de Olinda, 262 – Bairro do Recife
Visitação
De 28 de dezembro de 2012 à 10 de março de 2013.
De terça-feira a sexta-feira, das 9h às 18h, e aos sábados e domingos, das 12h às 18h.
Informações – 81-3224-5739 | centroculturalcorreiosrecife@correios.com.br

PARA INFORMAÇÕES DE IMPRENSA FAVOR CONTATAR
Publi Comunicação
Tiago Areias – 81 9996-5712
tiago@publicomunicacao.com

TEXTO DO CURADOR
MARACATU RURAL – A MAGIA DO CANAVIAL
Por Afonso Oliveira

“É absolutamente incrível que um brinquedo de origem indígena tenha se formado no início do século XX, nos canaviais da Zona da Mata Norte de Pernambuco, região que assistiu, desde o início, à constante eliminação da primitiva população que ocupava aquelas terras. Este folguedo assume as características de uma festa indígena, uma festa dos nativos das terras brasileiras, uma festa daqueles que foram perseguidos e escolhidos para deixarem de existir.

Durante a colonização, surgiu a palavra caboclo. Era uma forma de desclassificar os filhos dos indígenas. Não era índio, não era branco; não era livre, não era escravo, não era brasileiro, não era português. Em 1775, El-Rei Dom José de Portugal teve que proibir o uso da palavra por ser considerada uma injúria contra os filhos de índias com brancos. Até pouco tempo, ninguém se dizia índio, embora afirmassem ter algum parente antigo avô, bisavôs de origem índia”.

As palavras a cima retiradas do livro Festa de Caboclo de Severino Vicente da Silva, retrata bem a importância que o Maracatu de Baque Solto ou Maracatu Rural tem para o povo pernambucano e para o povo brasileiro. Mais ainda para o povo da Zona da Mata de Pernambuco, ou seja, para o povo do Canavial.

É essa coisa incrível que eu chamo de MAGIA do CANAVIAL. A magia também foi outro elemento da cultura indígena retirado a força pela colonização e até os dias de hoje as diversas magias são vistas com preconceitos. É preservando a força de suas MAGIAS que os caboclos de lança até hoje se veste de forma incrível e única no mundo, se reúne no terreiro e saí para brincar o Carnaval durante três dias.

Mas o Maracatu Rural também é dono do seu tempo, como sempre foi desde que surgiu e a Exposição MARACATU RURAL – A MAGIA DO CANAVIAL vai levar os visitantes a esse passeio cheios de simplicidades e complexidades.

Um passeio pelo Território que é Zona da Mata mostrando o universo do canavial com fotos, peças e objetos dos antigos engenhos de cana de açúcar. Nazaré da Mata, Aliança, Buenos Aires, Tracunhaém, Araçoiaba.

Um passeio pelo universo do Caboclo de Lança, o Caboclo de Lança tem o maior espaço da exposição, seu principal brincante e fundador do Maracatu. A evolução de seu figurino ao longo dos tempos através de fotografias, vídeos e objetos. Uma máquina de Costura antiga, uma gola de vidrilho inacabada que reflete a força que a lantejoula passou a ter com seus brilhos e coloridos mais fortes.

Texto publicado em ImprensaPubli, Notícias com as tags , , , . Link direto: URL.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>